sábado, 15 de fevereiro de 2014

Tenho pena desta multidão...

       Jesus chamou os discípulos e disse-lhes: «Tenho pena desta multidão; há já três dias que estão comigo e não têm que comer. Se os despedir sem alimento para suas casas, desfalecerão no caminho, porque alguns vieram de longe». Responderam-Lhe os discípulos: «Como se poderia saciá-los de pão, aqui num deserto?». Mas Jesus perguntou: «Quantos pães tendes?». Eles responderam: «Temos sete». Então Jesus ordenou à multidão que se sentasse no chão. Depois tomou os sete pães e, dando graças, partiu-os e deu-os aos discípulos, para que os distribuíssem, e eles distribuíram-nos à multidão. Tinham também alguns pequenos peixes. Jesus pronunciou sobre eles a bênção e disse que os distribuíssem também. Comeram e ficaram saciados. Dos bocados que sobraram encheram sete cestos (Mc 8, 1-10).
       Neste episódio da multiplicação dos pães vemos a sensibilidade de Jesus, a Sua compaixão pelas multidões; vemos o milagre da multiplicação ou da partilha, num e noutro caso Jesus conta com a colaboração dos seus discípulos, isto é, Deus conta com a nossa cooperação para agir no mundo; a multiplicação mostra que o alimento que nos vem de Jesus nos sacia e ainda sobeja para os demais, em Cristo Jesus há alimento em abundância... símbolo claro da Eucaristia, onde Se nos dá de novo, sempre, até à eternidade e nos alimento...
       No meio do deserto, onde não existe nada, é possível que o amor transforme o pouco em muito, e que os poucos pães e os poucos peixes, pela oração, pela generosidade e pela fé, se transformem em muito, em abundância. O que daria para alguns, dá agora para muitos, para todos...

Sem comentários:

Enviar um comentário