quarta-feira, 10 de agosto de 2016

São Lourenço, Diácono e Mártir

Nota biográfica:
          É tido como o "Príncipe dos Mártires".
       Morreu a 10 de Agosto de 258, na perseguição do imperador romano. Era diácono, responsável por administrar os bens da Igreja de Roma. No dia 6 de Agosto, desse ano, foi morto o Papa Sisto II, juntamente com quatros diáconos. Os perseguidores prenderam Lourenço, poupando-lhe temporariamente a vida, com o fito de ele lhes entregar os bens da Igreja.
       Pede alguns dias, ao juiz, para reunir os tesouros da Igreja. Apresenta-se com pobres, doentes, indigentes, assistidos pela Igreja: "Eis aqui os nossos tesouros, que nunca diminuem e podem ser encontrados em toda parte".
          Foi queimado vivo numa grelha.
       É o terceiro padroeiro de Roma, depois de Pedro e Paulo. Os restos mortais encontram-se na Igreja de São Lourenço, extra-muros.
Oração de Colecta:
       Senhor nosso Deus, que inflamastes no fogo da caridade o bem-aventurado São Lourenço e o fizestes resplandecer na fidelidade ao serviço da Igreja e na glória do martírio, fazei-nos amar o que ele amou e praticar o que ele ensinou. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Administrou o sagrado Sangue de Cristo
(Dos Sermões de Santo Agostinho, bispo, Sermão 304, 1-4: PL 38, 1-395-1397. Sec. V)
       A Igreja Romana convida-nos hoje a celebrar o triunfo de São Lourenço, que, desprezando as ameaças e as seduções do mundo, venceu a perseguição do demónio. Exercia nessa Igreja de Roma, como sabeis, as funções de diácono. Aí administrou o sagrado Sangue de Cristo; aí derramou o seu sangue pelo nome de Cristo.
       O bem-aventurado apóstolo São João expôs claramente o mistério da Ceia do Senhor, dizendo: Como Cristo deu a sua vida por nós, também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos. Assim compreendeu São Lourenço; assim o compreendeu e realizou: o que tinha recebido naquela mesa, isso mesmo ofereceu. Amou a Cristo na sua vida, imitou O na sua morte.
       Portanto, também nós, irmãos, se realmente O amamos, imitemo l’O. A melhor prova que podemos dar do nosso amor é imitar o seu exemplo. Na verdade, Cristo sofreu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigamos os seus passos. Estas palavras do apóstolo São Pedro parecem dar a entender que Cristo só sofreu por aqueles que seguem os seus passos e que a paixão de Cristo de nada aproveita senão àqueles que O seguem. Seguiram-n’O os santos mártires até ao derramamento de sangue, à semelhança da sua paixão. Seguiram-n’O os mártires, mas não só eles. Não foi cortada a ponte depois de eles terem passado; não secou a fonte depois de eles terem bebido.
       Aquele jardim do Senhor, meus irmãos, não só tem as rosas dos mártires, mas também os lírios das virgens, as heras dos esposos e as violetas das viúvas. Nenhuma classe de pessoas, irmãos caríssimos, deve menosprezar a sua vocação. Cristo sofreu por todos. Com toda a verdade está escrito a este propósito: Ele quer que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade.
       Entendamos, portanto, como deve o cristão seguir a Cristo, mesmo sem ter de derramar o seu sangue, sem ter de suportar o martírio. Diz o Apóstolo, referindo-se a Cristo nosso Senhor: Ele, que era de condição divina, não Se valeu da sua igualdade com Deus. Oh sublime majestade! Mas aniquilou-Se a Si próprio, assumindo a condição de servo, tornando-Se semelhante aos homens e aparecendo como homem. Oh profunda humildade!
       Cristo humilhou-Se: aqui tens, cristão, o que deves imitar. Cristo obedeceu: como podes orgulhar-te? E depois de ter passado semelhante humilhação e de ter vencido a morte, Cristo subiu ao Céu: sigamo l’O. Ouçamos o que diz o Apóstolo: Se ressuscitastes com Cristo, aspirai às coisas do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus.

Sem comentários:

Enviar um comentário