sexta-feira, 26 de maio de 2017

A vossa tristeza converter-se-á em alegria...

       Em vésperas de celebramos a Ascensão do Senhor, que entre nós se celebra no próximo domingo, Jesus previne os discípulos dos tempos que se aproximam. O texto dos Atos dos Apóstolos mostram como Jesus, através do Espírito Santo, cumpre o que prometeu. Ele está presente, cooperando com os discípulos, manifestando-Se também nas dificuldades.
Quando Paulo estava em Corinto, certa noite o Senhor disse-lhe numa visão: «Não temas, continua a falar, que Eu estou contigo e ninguém porá as mãos sobre ti, para te fazer mal, pois tenho um povo numeroso nesta cidade». Então Paulo demorou-se ali ano e meio a ensinar aos coríntios a palavra de Deus. Quando Galião era procónsul da Acaia, os judeus levantaram-se todos contra Paulo e levaram-no ao tribunal, dizendo: «Este homem induz as pessoas a prestarem culto a Deus à margem da lei». Quando Paulo ia a abrir a boca, disse Galião aos judeus: «Judeus, se se tratasse de alguma injustiça ou grave delicto, escutaria certamente as vossas queixas, como é meu dever. Uma vez, porém, que são questões de doutrina e de nomes da vossa própria lei, o assunto é convosco. Eu não quero ser juiz dessas coisas». E mandou-os sair do tribunal. Todos então se apoderaram de Sóstenes, chefe da sinagoga, e começaram a bater-lhe em frente do tribunal. Mas Galião não se importou nada com isso. Paulo demorou-se ainda algum tempo em Corinto; depois despediu-se dos irmãos e embarcou para a Síria, em companhia de Priscila e Áquila, e rapou a cabeça em Cêncreas, por causa de um voto que fizera (Atos 18, 9-18)
       No Evangelho, o aviso e a promessa de Jesus:
«Em verdade, em verdade vos digo: Chorareis e lamentar-vos-eis, enquanto o mundo se alegrará. Estareis tristes, mas a vossa tristeza converter-se-á em alegria. A mulher, quando está para ser mãe, sente angústia, porque chegou a sua hora. Mas depois que deu à luz um filho, já não se lembra do sofrimento, pela alegria de ter dado um homem ao mundo. Também vós agora estais tristes; mas Eu hei-de ver-vos de novo e o vosso coração se alegrará e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria. Nesse dia, não Me fareis nenhuma pergunta» (Jo 16, 20-23a).

       A imagem que Jesus utiliza para explicar aos seus discípulos o misto de tristeza que os afeta com a alegria que estão para experimentar. Ele vai partir... e a separação física é sempre demasiado dolorosa, sobretudo quando se trata da morte biológica. Jesus anuncia a Sua morte, mas aponta já para a ressurreição. A morte e subsequente separação conduzirá os discípulos à desilusão, ao lamento, ao luto. Jesus não "evita" a morte física, mas prepara os discípulos para os novos tempos.
       Voltemos à imagem da mulher que está para ser mãe. Por ora as dores, o sofrimento, os enjoos e o incómodo de "carregar" com mais um corpo, uma vida. Mas nada se compara à alegria que está para vir. Suporta-se o sofrimento, por maior que seja, pensando sobretudo nas alegrias que chegarão com a chegada do fruto do amor, a vida nova. Assim deverá ser com os discípulos de Jesus Cristo. Preparam-se para O ver partir, e Jesus ajuda-os a ultrapassar os limites espaço-temporais, para se fixarem já na vida nova que está para vir, com o Espírito Santo.

Sem comentários:

Enviar um comentário