quinta-feira, 17 de maio de 2018

VL – A Páscoa gera esperança, vida e comunidade

Jesus é a nossa Páscoa. A vida toda se encaminha para este grande e admirável mistério da nossa salvação. Tudo acontece e tudo parte da Páscoa de Jesus, da Sua paixão redentora, da Sua ressurreição e ascensão aos Céus, para junto do Pai, que Ele nos revela e que n'Ele e por Ele Se nos dá na oferenda da Sua vida por inteiro. 

A morte, diante da Ressurreição, é, afinal, um momento provisório. Sério, intenso, dramático, desolador, mas ainda assim passageiro, momentâneo, pois o que é definitivo é a vida em Deus. Se tudo tivesse ficado naquele sepulcro, onde 40 horas antes foi depositado, então a dispersão seria completa, a vida incompleta, o vazio encheria e destruiria a esperança que n'Ele muitos colocaram. 

Depois do sábado, dia sagrado para os judeus, Maria Madalena, na versão joanina e que nos foi proposta em dia de Páscoa, ainda escuro, vai ao sepulcro, vê a pedra retirada e imediatamente corre para avisar Sião Pedro e o discípulo amado: «Levaram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde O puseram». A desolação continua! Pedro e o discípulo amado correm para ir ver o que aconteceu. Ao entrarem no túmulo e, vendo a disposição das ligaduras e do sudário, percebem que algo de extraordinário aconteceu, conforme o Mestre predissera e segundo as Escrituras, Jesus já não Se encontra no túmulo, mas está vivo, ressuscitou! 

A Páscoa de Jesus, a ressurreição de entre os mortos, algo de inusitado e ao alcance somente de Deus – «A ressurreição é um acontecimento dentro da história, que, todavia, rompe o âmbito da história e a ultrapassa» (Joseph Ratzinger/Bento XVI) –, gera conforto, alegria, esperança, gera comunidade e encontro. 

A condenação de Jesus, a Sua crucifixão e a Sua morte são geradoras de dispersão, de abandono, de desolação. Os discípulos perderam Aquele que os mantinha unidos como grupo. Há, ainda, resquícios dos elos que antes se tinham criado, veja-se a cadeia de testemunho: Maria Madalena vai ter com Pedro e com o discípulo amado e os dois vão juntos ao túmulo de Jesus. É possível que a presença de Maria, Mãe de Jesus, tenha agilizado e fortalecido os laços de proximidade e comunhão. 

Na estrada de Emaús, os dois discípulos expressam bem o desconforto que provocou a morte de Jesus, as esperanças que n'Ele tinham depositado e como tudo se esboroou! Com o Seu regresso ao convívio dos vivos, os elos que ligavam os discípulos, a motivação para estarem juntos regressa em força. A esperança é alimentada pela presença do Senhor ressuscitado!

Publicado na Voz de Lamego, n.º 4455, de 3 de abril de 2018

Sem comentários:

Publicar um comentário